A Inclusão Paralímpicos nas Empresas

Por Diogo Barros


Perto de 45 milhões é a população de pessoas com deficiência, mais ou menos 24% da população Brasileira é o que aponta o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Estes atletas de ouro e digo "atletas porque para elas a superação tem que ser todos os dias para realizar os seus sonhos ou até mesmo atividades mais simples do seu cotidiano". Vejamos o que muda no corporativo para inclusão daqueles que colocam os seus limites para ser atletas e vão além do que as empresas esperam, eles enxergando limites e ainda nos ensinam como superar adversidades constantemente.

Com a entrada em vigor da nova Lei Brasileia de Inclusão (LBI) que pretende fortalecer o segmento da pessoa com deficiência (PCD) somando-se as convenções como da ONU sobre os direitos dos PCD e a Lei de Cotas, então as empresas voltam sua atenção para reavaliar os benefícios da adversidade e assim se adaptarem ao novo modelo.

Desde julho do ano passado após ser sancionada a LBI trouxe novidades , como auxílio inclusão para trabalhadores com deficiência que exerçam atividades remunerada, e assim utilizar do FGTS para aquisição de próteses e órteses e também a proibição aos planos de saúde praticarem qualquer tipo de descriminação em razão da sua deficiência, está é apenas uma do que mudou, acompanhe as outras logo abaixo:


Nova Lei e suas conquistas


Na educação

Haverá proibição ás instituições de ensino superior ou técnico para que não cobrem mais de alunos PCDs reserva de 10% das vagas, obrigando também o poder público a fomentar a publicação de livros acessíveis pelas editoras

No requisito da mobilidade

Reserva de 2% das vagas em estacionamentos, 5% dos carros de autoescolas e de locadoras de automóveis deverão ser adaptadas para motoristas com deficiência.

Quanto a moradia

Reservar 3% de unidades habitacionais em programas públicos ou subsidiados com recursos públicos.

Na cultura e turismo

Teatros, cinemas , auditórios e estádios passam a ser obrigados a reservar espaços e assentos adaptados. 10% de dormitórios devem ser acessíveis nos hotéis. 

Esporte

A lei estabelece que 2,7% da arrecadação das loterias federais para o esporte. Hoje esse percentual é de 2% . A LBI prevê que 37,04% da arrecadação devem ser repassadas ao Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB) e 62,96% para o Comitê Olímpico (COB), dobrando a arrecadação do CPB que antes era de 15% apenas.

Finanças

Os boletos, contas, extratos deverão ser em formato acessível.

Política

As pessoas portadoras de deficiência terão o direito de participar da política ativamente, com garantia do direito de votar e ser votada.

Igualdade

Ter os mesmos direitos as oportunidades.

Os RHs ainda apresentam percepções diferentes em relação aos fatores que tornam uma oportunidade de trabalho mais atrativa para uma pessoa portadora de deficiência, são elas:



  1. Acessibilidade
  2. Preconceitos 
  3. Resistência
  4. Atividades a serem desempenhadas pelos PCD


Enfim, mesmo após 25 anos de existência da Lei de Cotas e mesmo com a inclusão de 357 mil PCDs, ainda existem algumas barreiras nesta Paraolimpíada que precisam ser vencidas, a maior é olhar com inclusão para dentro da própria empresa, reavaliar sua estrutura e políticas, afim de eliminar a cegueira, ter acesso ao feedback e planos de ações, afim de resolver os problemas a curto prazo e sem burocracia eliminando a surdez corporativa e é claro, identificar e medicar as paralisias dos líderes, que ainda não se aptaram a nova realidade.

Pelo Celular ou Tablet Recomende este produto pelo WhatsApp
COMPARTILHAR:

+1

0 Response to "A Inclusão Paralímpicos nas Empresas "

Postar um comentário

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

O Corpo Fala

Empregado Doméstico

Dinâmica de Grupo